Telefone/Fax: (67) 3317- 6955
Rádio
Perpétuo Socorro
CLÍQUE PARA OUVIR
MAIS NOTÍCIAS

Inscrições abertas para mestrado e doutorado em ciências agrárias e ambientais
07 DE AGOSTO

Terça-feira será de sol na maioria das regiões de MS com máxima de 31ºC
07 DE AGOSTO

Prefeitura abre seleção para técnicos em radiologia com salário de R$ 1,2 mil
06 DE AGOSTO

Seleção para vagas com salários de até 8,6 mil se encerram nesta terça-feira
06 DE AGOSTO

Tempo continua chuvoso nesta segunda-feira com máxima de 28ºC
06 DE AGOSTO

Mostra busca instruir estudantes sobre qual profissão seguir na graduação
03 DE AGOSTO

Sexta amanhece chovendo em algumas cidades e previsão é de céu nublado
03 DE AGOSTO

Enem: professores e servidores podem ser inscrever para aplicar provas
01 DE AGOSTO

Inscrições para curso de inglês da UEMS encerram nesta quinta-feira
01 DE AGOSTO

Temperaturas continuam amenas e tempo seco, sem previsão de chuva
01 DE AGOSTO

Anatel deve mudar regras para impedir cobranças após roubo de celular

Campo Grande News, 31 de Julho, 2018
31071808852 640x480 e67dd0214599ac132b17c9323961ae4d
O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) determinou que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) altere a regulamentação dos serviços de telefonia móvel para impedir a cobrança de mensalidades de clientes que comunicarem perda, roubo ou furto do celular. A decisão, da qual ainda cabe recurso, vale para todo o país e foi proferida na última quarta-feira (25), mas foi divulgada ontem a noite pelo tribunal.
De acordo com a assessoria do tribunal, a Justiça Federal em Florianópolis (SC) considerou procedente o pedido do Ministério Público Federal (MPF). A Anatel recorreu ao tribunal, mas a 4ª Turma decidiu, por unanimidade, negar o apelo. Para o relator do caso, juiz federal Sergio Renato Tejada Garcia, ficou demonstrada a omissão da agência reguladora no caso.


“Ao tentar se eximir do dever de regulamentação, a Anatel deixa de realizar as atribuições que lhe são incumbidas no tocante à defesa dos direitos dos usuários, à garantia de equilíbrio entre os consumidores e as prestadoras”, concluiu o juiz.

A condenação é resultado de uma ação civil pública aberta pelo MPF, segundo a qual a cobrança de multas pelo rompimento do contrato por vítimas de ação criminosa é uma relação que se dá de “maneira desproporcional e desarrazoada em desfavor do consumidor”.

O MPF constatou falhas no atendimento das operadoras na comunicação de eventos fortuitos e a cobrança de multas por cancelamento e mensalidades ao consumidor quando este não podia mais usar serviço.

Na ação, o MPF ressaltou a necessidade de regulamentação das regras para impedir as concessionárias de telefonia móvel de cobrar multa em casos de "rescisão de contrato de prestação de serviço de telefonia móvel, quando da ocorrência de caso fortuito alheio à vontade do usuário e durante a vigência de contrato de permanência mínima”.

Pela sentença a Anatel tem que mudar a regulamentação para impedir ”que as operadoras de telefonia móvel multem usuários que rescindiram contratos em razão de perda, roubo ou furto de aparelhos e obstar cobranças de mensalidades a partir da comunicação do fato, bem como impor a adoção de meios simples e ágeis para solucionar essas demandas”.


Campo Grande News, 31 de Julho, 2018